sábado, 18 de dezembro de 2010

ABSOLUTO

Quando os olhos se encontrão.
 A pele pele incendeia
Os pelos se ouriçam.
E as almas paream

Então um buscar infindo.
Pelo tempo que se perdeu.
O absoluto se faz relativo.
O universo é só você e eu.

O oceano lembra o passado “o pranto”
O infinito a tolher suas dimensões.
Um coral de anjos á desfazer o silencio.
E tornar mito a implacável solidão.
         
                                     Ady Alves



Nenhum comentário:

Postar um comentário